Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Vida’

Vislumbres

Vem do fruto proibido
nossa herança original —
esse dom de presciência
da implacável finitude

contra a qual, porém, lutamos.
Se tudo são incertezas,
é demasiado humano
nossa luta por sentidos.

O corpo de nosso tempo
não está ao nosso alcance —
só se dá em perspectiva.

Caos são pequenos vislumbres
dessa máquina de instantes
que é o espírito do tempo.

quinzenario0047

Read Full Post »

I – Armagedon

É todo dia que ocorre
a luta do fim dos tempos.
Quando bombas ceifam vidas
ou lamas tóxicas matam
as águas de vários rios.

Sim, o juízo final
também acontece agora.
Percebo que toda morte
inaugura em si o tempo
propício ao apocalipse.
.

II – Gênesis

No sem-fim desse universo
que talvez seja espelhado
ou até caleidoscópico,
um deus qualquer faz a luz
que sai dum buraco negro.

A cada vida que surge,
o princípio de algum verbo,
no próprio dia primeiro
de alguma criação qualquer,
abre um eterno retorno.

quinzenario0035

Read Full Post »

A fúria indômita das águas

Vi que a fúria da água é incontida.
Ela invade em silêncio a concretude
de paredes. Alastra-se amiúde.
Não encontra represa nem na vida.

Eu sei que a água em fúria é impelida
a seguir, sem que nunca nada mude
seu ímpeto envolvente. Na inquietude
de seu fluxo, ela quase nos convida

ao seu íntimo, num afogamento.
E não cabem recusas nesta teia
que é, de fato, ordem líquida ou tormento.

Essas vagas arrasam coisas, mágoas
e construções, que somem como areia
cedendo à fúria indômita das águas.

Claude Joseph Vernet - Un naufrage en mer agitée sur la côte

Claude Joseph Vernet – Un naufrage en mer agitée sur la côte

Read Full Post »

Nesse tempo setembrino

Peço que o ritmo do verso
me setembre, e que floresça
em meus dedos todo espanto,
me alçando às portas do êxtase.

Que o sorriso em mim verdeje
e crie raízes fortes
no que eu chamo de meu cerne –
mais palpável do que essência.

Que o sal da terra tempere
os usos de minha língua
bem ao gosto do destino.

E, por fim, que primavere
em meu veio a própria vida
nesse tempo setembrino.

Primavera - Giuseppe Arcimboldo

Primavera – Giuseppe Arcimboldo

Read Full Post »

Primavera dos seres

O fato é que muitas vezes
existir é um delírio,
noutras tantas um martírio
determinado por deuses.

Para fugir desta lida,
nós somos o que queremos,
nós somos o que fazemos
das horas de nossa vida.

Condenados à existência,
engendramos resistência
nos gozos e nos prazeres.

Desejamos ser loucura:
luzes de uma noite escura
e a primavera dos seres.

Foto: Fabiana Turci | Laboratório dos Sentidos

Foto: Fabiana Turci | Laboratório dos Sentidos

Read Full Post »

Ao menos setecentos anos de tradição poética apontam que no domingo passado cheguei ao meio do caminho. Está lá, nos primeiros versos de A Divina Comédia: “Nel mezzo del cammin di nostra vita / mi retrovai per una selva oscura, / ché la diritta via era smarita.” O meio do caminho era a idade de 35 anos, que seria uma antiga metáfora para a meia idade, considerando uma vida potencial de 70.

Sendo o primeiro verso uma antiga metáfora, aos setecentos anos de tradição do poema de Dante se adicionam ainda os anos que dão antiguidade a ela. Como não tenho fôlego para retroceder tanto e encontrar salmos ou profetas que confirmem o arcaísmo dessa ideia, contento-me com a abertura da comédia dantesca. E aceito a noção nela encerrada de que chego ao ápice do arco da vida. Noção desconcertante, pois esse ápice é simplesmente minha vida toda, até aqui.

“Nel mezzo del cammin”, olho para os dois sentidos dessa estrada incerta. E dou graças pela metade que já pude viver. “Gracias a la vida, que me ha dado tanto”! Vejo-me como o resultado, a resultante desse caminho. Componho-me dos meus passos, dos meus afetos, das minhas experiências. Sou um desses bichos que deliram ser anjos, como sói acontecer a todos nós, demasiado humanos.

Se olho para trás grato, feliz com a memória que carrego, a outra metade do caminho intuo desejoso. Palmilhar o incerto não é tarefa das mais simples, mas é isso a existência. O que nem poderia ser, de repente é e se perpetua num tempo sem garantias. E nós nos fazemos, nos inventamos na tentativa de prover algum sentido a essa trajetória de absoluta gratuidade.

Em relação à segunda metade da vida — que é a trajetória descendente que me resta –, desejo especialmente três coisas. A primeira é que seja tão feliz e mais longa que a porção inicial. A segunda é que eu possa seguir ao lado da autora da foto abaixo — a mulher amada! — semeando alegrias, compartilhando sonhos e sorrisos. E, por fim, o terceiro desejo é que nessa segunda parte da jornada minha mente conserve seu poder de realização até o fim, mesmo quando o corpo já estiver fraquejando.

Esses são desejos absolutamente comuns, quase banais. Mas não é preciso ir além do homem para desejar o eterno retorno de cada alegria…

Eu, nel mezzo del cammin, em 22 de junho de 2014. | Foto: Fabiana Turci

Eu, nel mezzo del cammin, em 22 de junho de 2014. | Foto & Bolo: Fabiana Turci

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: