Feeds:
Posts
Comentários

Archive for junho \26\UTC 2010

Mistura bem na caldeira
em que se fervem palavras
toda quentura de lavas
com o frio das geleiras.
Esgarça as próprias fronteiras
sem a força que escalavra.

Salpica algum lirismo
em postas de sentimentos.
Acrescenta fingimento
e pitadas de abismo.
Tempera com algum cinismo
e sincero enfrentamento.

Acresce nessa mistura
o esperma tinto de um deus,
confissões de alheios eus
e vozes bem mais obscuras
do interior da estrutura
do que se chama de teu.

Mais uma porção de sonho,
duas e meia de rua,
a face avessa da lua,
o inefável e o medonho;
assim surge, seminua,
a poesia no entressonho.

Elimina o preterível.
Ao excessivo põe veto,
deixando o que sobra quieto.
Fala bem alto o indizível
e faze silêncio audível
para o feitiço completo.

*

Escrito para a Oficina Escrevivendo: Poesia, ministrada por Fabiana Turci na Casa das Rosas.

Anúncios

Read Full Post »

E as vinte palavras recolhidas
nas águas salgadas do poeta
e de que se servirá o poeta
em sua máquina útil.

Vinte palavras sempre as mesmas
de que conhece o funcionamento,
a evaporação, a densidade
menor que a do ar.
(João Cabral de Melo Neto – A Lição de Poesia)

(…)

borboleta
Ente híbrido, entre animal e papiro, em cujas asas estão inscritas respostas para perguntas que nunca foram feitas. Trata-se de um palimpsesto que testemunhou a escritura de todos os absolutos e traz, em diversas camadas, a grafia do indizível. Ao experimentar o estado de solidão existencial, conhece a intimidade da impermanência, caminhando em direção ao outro da forma. Ela não nasce ente híbrido, mas aprende a tornar-se aquilo que se é. Sua existência é também o seu devir. Certo sábio urbano, disfarçado de criança, ao visitar o campo e vê-la pela primeira vez, definiu-a como uma cor voando.

(…)

flor
Ente vegetal que é, na verdade, uma borboleta imóvel e fixa. É frequentemente descrita como um códice cujas folhas acabaram de encarar as mil e uma faces noturnas do silêncio. Nascida do cruzamento entre o encanto e a finitude, tornou-se um tipo de lugar-comum poético, como a lua e o amor. Mesmo assim, certos poetas contemporâneos ainda recorrem a ela. Um poeta gauche certa vez descreveu uma estranha espécie nascida no asfalto. Sim, ela é dividida em várias espécies. Uma delas, habitualmente sacrificada e ofertada às dúzias num ritual em favor de amantes ou amadas, teve seus cinco motivos cantados por uma poetisa moderna e atemporal. Outra, imponente e xântica, conserva ainda algo de borboleta, por se mover no sentido da luz, e aparece convulsa e obsessivamente nas telas de um atormentado pintor que se matou quase dois anos depois de cortar a própria orelha para oferecê-la de presente a uma prostituta.

(…)

história
Ente conceitual formado por um encadeamento de instantes ordenados de modo a constituir uma narrativa. Quando escrita com inicial maiúscula, trata de realidades ou instantes pretéritos pretensamente acontecidos, o que faz com que seja considerada verdadeira. Os supersticiosos costumam atribuir sua autoria à irmandade formada pela solidão, a serenidade e o silêncio.

(…)

Paracoccidioides brasiliensis

Poetas são, às vezes, arbitrários.
Elegem sem motivo certos seres
e os enchem de poéticos poderes,
inscrevendo-os em raros relicários.

Porém, uma cientista que também
é poeta não pode distinguir
dos entes de poético existir
um certo fungo conhecido bem.

Bem conhecido dela, pois poetas
se consideram sempre bons estetas.
Preferem borboletas e condores.

Mesmo por males têm predileções.
Sabem tudo das próprias depressões,
mas nada dos imunodepressores.

(…)

solidão
Ente sentimental que o senso comum associa a tristeza, amargura, angústia e outros entes sentimentais negativos. Ela, no entanto, é uma condição da existência, formando com a serenidade e o silêncio uma antiga irmandade que regia a destinação de deuses, homens e outros entes. Entre os antigos, foi identificada como Cloto, a fiandeira. Os demais entes dessa irmandade também conheceram outras nominações: Láquesis era aquela que mansamente enovelava o fio para sortear o nome de quem teria o silente encontro com Átropos, a quem cabia cortar, inflexível, o fio tecido por Cloto. Há quem sustente que o sozinho de cada ser seja o fundamento de seu sentir.

(…)

verdade
Ente conceitual constituído a partir de uma narrativa pela qual as pessoas podem jurar.

(…)  

*

Escrito para a Oficina Escrevivendo: Poesia, ministrada por Fabiana Turci na Casa das Rosas.

Read Full Post »

O que é cair no contramundo, no intervalo falho entre o sonho e a memória? Por mais que sejamos feitos dessa sútil matéria de que são feitos os sonhos, o mundo onírico nos desconcerta.

Alice faz parte desse mundo, com sua dose extrema de espanto e desconcerto. Essa personagem sempre me deslumbrou. Habitou três dos meus poemas. Revelou-me que o excesso de lógica pode fundar o nonsense. E que a origem do universo infantil é mais complexa e sombria do que o senso-comum consegue supor. Foi a primeira vez que, com grande assombro, me dei conta disso.

Ontem vi a Alice de Tim Burton. Sua estética sabe dar corpo a essa matéria de que são feitos os sonhos e as gentes. Suas mudanças na história soam como uma continuação natural do universo de Lewis Carroll. Meus pequenos senões com o final do filme não desmerecem a imensidão do que ele é.

Despeço-me, deixando aqui os três poemas meus sobre Alice, escritos entre 1998 e 2001. E lembrando que Alice vem de aletheia, palavra grega para verdade. Mas a verdade, nessa concepção, está ligada à memória, pois ela é a negação do esquecimento (Lethes era, para os gregos, o rio do esquecimento). Sua formação está ligada, por oposição, a ele, e não a pseûdos (o falso).

Por isso, talvez, as reminiscências de Alice sejam mais verdadeiras do que os fatos…

A l i c e   n o   P a í s   d o s   A l c a l ó i d e s

Liquens lisérgicos
e lírios loucos
correm nus no país
de Alice,
onde o coelho se atrasa
e o chapeleiro é maluco.

Tudo se funde
e se solta
num eterno big-bang.
Cabeças se chocam
como asteróides
no espaço sideral.

Alice vasculha o mundo
que existe atrás do ar
e, ao pôr seu vestido
de cetim branco,
acaba descobrindo que sempre esteve
olhando para a sua xícara de chá.

 

T a r d i a   r e s p o s t a   a   A l i c e
(para Eleonora Fabião)

Eu? Eu sou feito de luz.
Lembras que olhaste em meus olhos,
fizeste-me esta pergunta
e alguém respondeu por mim?
“Você é feito de quê?”

Nós somos feitos de luz.
Alice é feita de sonhos,
de árvores e de bosques;
de segredos que ela guarda.
Alice é de outra matéria.

Matéria é silvo de luz.
Alice é choro e questão
e energia. Ela é sistema,
prima-rima de um poema,
naipes rolados no chão.

Pôr… ou não pôr o chapéu?
Controlar sempre o relógio?
Dançar hermeta canção?
Sonhar com os olhos do céu?
Cores são formas de luz?

Quando o café da manhã
calhava de se atrasar,
eu chegava a acreditar
em seis coisas impossíveis.
Tudo é possível à luz.

Extraindo a magnitude,
raiz do alicerce — Alice —
questiona minha saúde:
“Você é feito de quê?”
Eu? Eu sou feito de luz…

 

A l i c e   A t r a v é s   d o   E s p e l h o
(ao Armazém Companhia de Teatro)

mote
Eu escrevo este poema
que me imortalizará
por um dia tê-la visto.

Ser o público e a cena
de seus sonhos me será
doce gozo que conquisto.

glosa

Em pensaventos lesmos e espelhares,
Alice alopra os alcalóides anos
nadinocentes, vivos, sempre insanos,
latentes como o brilho dos pulsares.

Volupiadas velhas, sorrateiras
aquecem a epiderme da menina,
da infante nada infântica que nina
os desejos matreiros das soleiras.

Nosso primeiro e estranho anfitrião,
Chapeluco Maleiro e já caduco,
pregado num relógio feito um cuco
ri o riso dos loucos com razão.

Tomo um xeque, um chá-mate e enfim adentro
no espelho-tobogã atrás de Alice,
alicerce dos sonhos, do que eu visse
neste mundo fantástico e epicentro.

Eu vejo um labirinto no armazém,
num impudico, lúdico vestido
em que, no olhar mais lúcido, elucido
todas transparessências que ele tem.

Um gato trapezista, num sorrir,
instaura nos sentidos todo absurdo
comportável no meu sentir já surdo,
pois os seus lábios deixam o rosto ir!

No tabuleiro, a injusticeira manda,
a Rainha das copas e das taras.
Ela corta cabeças pouco caras
nas horas que a demência faz-se branda.

No justíbulo faz-se o julgamento
que desnuda as segundas intenções.
No júri vejo os condes e os barões
feitos nobres num doido desmomento.

No final desta noite ou deste dia,
saciado de amor, eu durmo cedo
neste hospício que espalha todo o medo
da certeza que o mundo o imitaria.

(Aplausos!)

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: