Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Eduardo Lacerda’

Ontem essa indagação não me saiu da cabeça: a mitificação de alguém é uma forma de desumanizá-lo? Que processos nos levam a apagar o lado humano de alguém que admiramos demais, para torná-lo uma espécie de semideus?

Anteontem à noite (25/5), fui ao lançamento do livro Estórias autênticas (Editora Patuá), do querido André Balbo, no Patuscada. Ainda não havia conseguido que o André autografasse o meu exemplar (sim, uma ótima notícia: o lançamento foi bem concorrido!), quando o Edu (Eduardo Lacerda) comenta comigo que haviam dito que o Raduan Nassar estava lá.

Meu primeiro sentimento foi um misto de incredulidade e espanto. O Raduan Nassar habita, ao lado de outros quatro escritores, uma parede da minha casa, dedicada às referências literárias mais importantes, comuns a mim e à minha esposa. Um conjunto pensado há sete anos, quando planejávamos os detalhes de como seria a nossa casa. Num tempo em que a matéria da vida quotidiana se modificava e ganhava novos significados projetados pelas emanações de sonhos em comum. Alguns dos cinco quadros que existiam originalmente na casa da Fabi emoldurariam novas fotos.

Foram conversas várias para que chegássemos a cinco nomes. Havia uma projeção de que novos quadros poderiam vir, aumentar esse conjunto, mas isso não ocorreu. Claro que certos autores já então cogitados se agigantaram ainda mais (como no caso de Ítalo Calvino) e outros surgiram assombrosamente (como Ismail Kadaré). Mas acredito que ali habitam a base do que me forma como leitor, e boa parte do que forma a Fabi (que vai muito além de mim) como leitora. Não consigo imaginar minhas palavras sem tê-los encontrado um dia. Estão lá Drummond, sentado modestamente no chão a folhear um livro próprio; Hilda Hilst abraçada com ternura a um cão; Borges com um olhar de tempestade, voltado para a incerteza; Guimarães Rosa acariciando um excêntrico rinoceronte. E, no centro, sentado numa cadeira sob uma árvore, talvez em sua mítica terra que o fez abandonar a escrita, Raduan Nassar.

Drummond, Hilda Hilst, Borges, Guimarães Rosa e Raduan Nassar habitam nossa cozinha, o lugar mais sagrado da casa.

Isso significa que aquela espécie de entidade que habita nossa cozinha, que é o lugar mais sagrado da casa, estava ali. Devo muito da minha linguagem à leitura dos livros de Raduan. Mas não teria como dizer isso a ele. Não teria como contar o alumbramento perplexo suas palavras me causaram. O quanto elas foram fundantes para o prosador que sou, e que desejo me tornar. Também não teria como dizer que a fala de um dos personagens do meu Trítonos tem toda fala construída como um fluxo, um jorro, como o vi fazendo em “Um Copo de Cólera”. E que nessa mesma fala há uma espécie de incorporação de uma trecho do “Lavoura Arcaica”, em que o personagem diz que será o profeta da própria história.

Quando fui buscar o autógrafo do meu exemplar do livro do André, numa sala mais reservada, aquela figura deixou de ser apenas um quadro na parede, e um nome na capa de livros essenciais. Diante de mim estava ele: Raduan! Desde então, fui meio que levado pelos acontecimentos. Ainda não acredito que autografei e dei um exemplar do meu Trítonos – intervalos do delírio para Raduan Nassar. Era como conhecer uma entidade mítica. E a perplexidade paralisa. Ao lado de Raduan, outra figura conhecida. Embora longe de ser mítica, é alguém que, em tempos de uma política desumana que a administração da cidade vem adotando, deixa saudoso o cidadão político que sou: Fernando Haddad.

No entanto, num primeiro momento, só consegui ver o escritor e mito. Em vão tentei balbuciar algo absolutamente banal, falando do quanto era difícil de acreditar naquele momento. Mas eu sabia que quaisquer palavras eram insuficientes. Voltei para casa eufórico, como se tivesse vivido uma experiência sobrenatural. Repleto de uma emoção difícil de explicar, mas plenamente possível de entender. Ao mesmo tempo, porém, pensava no quanto aquela euforia e aquele maravilhamento, que quase me emudeceram, nasciam da mitificação de um homem. Ao entrar naquela sala, vi um homem frágil, talvez um pouco menor que eu, feito de carne e osso, sentimentos e incertezas. Mas essa dimensão havia se apagado. Meus olhos viam apenas a figura mítica, o escritor desmedido e o personagem repleto de idiossincrasias, que largou a literatura para cuidar da terra e seus maravilhamentos. E essa figura me parecia desumanizar o Raduan homem.

Longe da emoção, penso que talvez eu devesse ter falado que sabia que toda aquela situação talvez fosse um pouco constrangedora para ele, mas que certamente ele também entendia que, como leitor, me era impossível não lhe dizer o quanto o admirava. Afinal, era ele: Raduan Nassar. Há seis anos ele habita o espaço mais sagrado da minha casa. Suas palavras me habitam há pelo menos uns quinze. E era lindo conhecê-lo ali na Patuscada, pois aquele lugar também é, um pouco, uma espécie de casa para mim…

Fernando Haddad, Raduan Nassar, Edson Valente, Eduardo Lacerda e eu.

Read Full Post »

antologia-patuscadaHá exatamente um mês foi lançada a “Antologia Inaugural – Patuscada“, na festa de inauguração do “Patuscada – Livraria, bar & café”. Desde então minhas estantes são habitadas por essa obra, que reúne poemas e contos de pouco mais de uma centena de autores que apoiaram esse projeto – entre os quais me orgulho de estar. Meu endereço nela são as páginas 214 e 215, onde podem ser lidos dois poemas meus: “Alumbramento a céu aberto” e “Vaga vida”.

Confesso que a antologia ainda não ocupou seu lugar na taxonomia de meus livros. Mas aguarda paciente, junto a uma pequena congregação livresca de recém-chegados, o tempo em que há de rumar para o seu canto exato. Se eu não cuidar, periga apenas de essa congregação crescer ainda mais e ocupar muitos desvãos nas estantes.

antologiapatuscada1

Penso nessa antologia inaugural, organizada pelos queridos amigos e poetas Eduardo Lacerda, Leonardo MAthias e Ricardo Escudeiro, cumprindo uma função semelhante àquela desempenhada pelo Patuscada: um ponto de encontro, onde pessoas se reúnem ao redor de sonhos. Agregam-se e festejam em derredor da literatura, da poesia, da arte e da amizade. E demonstram que a philía inaugura possibilidades de memória e legado, e também engendra um testemunho para o porvir. O mesmo ocorre na antologia. Ela congrega vozes distintas que se colocam lado a lado. E se oferecem, juntas, ao porvir de leituras e bibliotecas.

Termino essa lembrança dividindo as palavras do colofão da antologia. Quem lê e acompanha os livros da Patuá, sabe do cuidado especial que ela tem com esse pedaço do livro, por vezes tão esquecido. Tais palavras dialogam lindamente com esse espírito aqui evocado. E, curiosamente, também evoca um elemento essencial do meu “Trítonos – intervalos do delírio“, obra que recentemente lancei pela editora.

Para os que acreditam na poesia e nos encontros que a poesia pode promover, nós repetiremos incansavelmente ao modo de Belchior:

amar e mudar as coisas nos interessa mais.

O que buscamos não é só a festa, mas a celebração da poesia e da amizade, o delírio:

amar e mudar as coisas nos interessa mais.

antologiapatuscada2

A “Antologia Inaugural – Patuscada” e o meu livro “Trítonos – intervalos do delírio” podem ser encontrados, junto de diversos outros amuletos, no site da Editora Patuá.

Read Full Post »

Lançar um livro depois de oito anos me dedicando a escrevê-lo foi algo transformador. Por isso, não consigo ser o mesmo depois de ter lançado Trítonos – intervalos do delírio. Olho para os meus locais de escrita e noto que eles hoje estão esperando para serem povoados por novas obsessões, novos projetos, novas histórias. É nesse estado de espera que me encontro um pouco desde o lançamento, como se eu ainda estivesse me despindo de meu livro.

Hoje, “Trítonos – intervalos do delírio” é uma linda marca em mim, em minha vida, em minha história… Agradeço demais à Editora Patuá, e ao querido editor e amigo Eduardo Lacerda por isso. Agradeço também à minha amada Fabiana Turci que, como leitora primeira, modificou tantas vezes e tão essencialmente os rumos de minha prosa nesse projeto. E à minha irmã Roberta Tostes Daniel, poeta de grandes alturas que me ofereceu o testemunho poético de sua leitura na linda orelha escrita para meu livro.

Meu livro também se tornou uma linda marca na parede de minha casa. O querido Leonardo MAthias presenteou “Trítonos” com uma capa simplesmente fantástica. Lembro do deslumbramento ao vê-la pela primeira vez. Era diferente de tudo quanto eu havia pensado, em termos de referências visuais. Era uma nova leitura e uma recriação do meu livro, com a distância de um leitor — algo que me era impossível fazer como autor. E, por isso mesmo, era maior do que a minha imaginação poderia projetar. Sim, nesse caso, o real foi de um maravilhamento que desconcertou o imaginado.

Quando adquiri a arte original de minha capa, descobri que o Leo fizera um trabalho incrivelmente plural. Na verdade, são duas imagens distintas, que mudam conforme o lado a partir do qual a obra é observada. Descobri poder usá-la de modos diferentes, se desejo evocar a visão interna de uma sacerdotisa ou as amplas asas de uma harpia. Estava devendo essas fotos para o querido Leo MAthias. Com uma alegria imensa, divido-a com ele e com todos meus amigos. Dividir alegrias e belezas é, na verdade, multiplicá-las. A arte não se cansa de me ensinar isso.

E meu livro está à venda no site da Editora Patuá (acesse aqui). E está muito bem acompanhado, com cerca de 350 títulos de autores contemporâneos. Vale muito explorar seu catálogo!

artetritonos01

artetritonos02

artetritonos03

Read Full Post »

No dia 29 de março, o sarau do coletivo Gente de Palavra homenageará o poeta e editor Eduardo Lacerda, num evento organizado pelos poetas Davi Kinski e Rubens Jardim. Como editor, são dez anos de trabalho dedicado a novos autores (e especialmente a novos poetas), entre fanzines, revistas, jornais e livros. Cinco destes à frente da Editora Patuá, uma das mais importantes editoras independentes do cenário brasileiro, destacada por apostar em novos autores e que hoje possui mais de 300 livros em seu catálogo. Uma editora que festeja a poesia e o desejo de encontro que mora em cada escritura, e que acaba de inaugurar ontem (26/03) a Livraria & Café Patuscada (cujo próprio nome sugere, é um lugar de festa ou de farra).

quinzenario0041

Por vezes, o editor Eduardo Lacerda, esse que celebra tantos novos autores, dando-lhes vez e voz, esconde o poeta Eduardo Lacerda que talvez seja um tanto tímido e injustificadamente reticente em relação à própria poesia. Quando soube da iminente homenagem, pensei especialmente nesse autor escondido, o que me fez resgatar algumas impressões de seu até agora único livro, Outro dia de folia, que tive o prazer de ler em junho de 2014. Evidentemente, após esse hiato, a memória latejante de seus versos já arrefeceu. Ainda assim, busco tracejar um itinerário de leitura e lembrança desbotada dessa obra.

quinzenario0040

Ainda que eu esteja distante do tempo da leitura, ainda consigo tatear algumas coisas de que especialmente gostei naquelas páginas. A primeira, por mais evidente, é o signo de melancolia por trás de toda festa. Segui empós essa chave de leitura, até chegar no poema “Candelabro”, onde encontrei um contracanto, uma segunda voz que me foi muito cara: a presença de uma espécie de culto primitivo retirado do banal da vida. Ali, naquele menino que não acendia velas até que a solidão o levou a evocar seus fantasmas para lhe fazer companhia, deparei-me com mais uma inesperada chave de leitura. Festa e misticismo, nostalgia e solidão… E uma inadequação muda no aceno que encolhe o gesto, no abraço perverso de um inflado sussurro, no balão/grito calado a evocar o céu.

Fui avançando nas páginas e encontrando minha própria antologia, até chegar num poema escuro e misterioso, intitulado “Nunca entendi”, que me ofereceu um imenso alumbramento. Ainda hoje desejo roubar uns versos dele como epígrafe para algo meu, apenas para minha escrita ficar mais bonita, testemunhando que “as frestas das cortinas / ejaculavam sol e / silêncio”.

Mal pude me refazer desse poema e já dei com o patíbulo onde estava “O falso enforcado”, esse arcano em seu próprio jogo e destino, esse poeta maldito e tantas vezes subversivo que canta, mesmo morto, a carta da morte. E, nesse ponto, a sensação que me invadia era a de que o livro crescia. A cada outro dia de folia, ele ganhava amplidões.

Caminhando pelas veredas do livro, me deparei com uma terceira voz. Ela, na verdade, sempre esteve presente, mas se mostrou clara no poema “Ao escuro”: a memória da infância. Neste poema, que me ecoou o dorido “Recordo ainda” do Quintana (em especial o terceto final: “Eu quero os meus brinquedos novamente! / Sou um pobre menino…acreditai… / Que envelheceu, um dia, de repente!…”), o menino melancólico e brincante da capa do livro parecia ganhar corpo e história. Um menino alumbrado e repleto de patuás, editor de seu canto ejaculado de sol e silêncio, equilibrista sobre a carta da morte. Tudo seguia como uma composição a três vozes, ritmada pelo som de livro sendo lido.

Mas o percurso dessas três vozes me conduziram até o momento em que um som de atabaques e uma voz de ogã passou a conduzir o ritual, aberto por Iansã — orixá que hoje habita a estante de livros de minha casa, certamente para ventar ideias. As três vozes não se calaram. Somaram-se a esta quarta voz, forte e ancestral, que incorporou, sob o signo do vento fêmea, todo um chão de signos colhidos até ali. Nesses cantos, “a vida é febre, e também / gelo, espelho / e trevo, / dos comuns”. Os despachos finais me chegaram como a coroação de uma grande obra. Uma festa. Mas não uma “Monofesta”. Um festejo surpreendentemente aberto a outras palavras partícipes. Toda escrita ali desejando diálogo, celebração e reunião.

Tomo parte nessa festa para agradecer pelos versos espraiados em cada página. Para testemunhar a aventura de ser leitor, na melancólica folia dessa obra primeira e ímpar. E para esperar por um Outro dia de folia.

outro-dia-de-folia

Read Full Post »

(para Eduardo Lacerda)

Vejo a poesia espalhada
pelo caminho dos ventos,
pelos meus olhos atentos,
pela cidade asfaltada.

Outro dia de folia,
em que um homem é arcano
de seu destino profano
de se fazer melodia.

Com a corda no pescoço
e os dois pés na corda bamba
se equilibra o utopista.

Aos poucos ergue um colosso
que em tinta e papel descamba –
é o sonho que aqui se avista.

com Eduardo Larcerda, no relançamento de Trítonos - intervalos do delírio, durante a Festa de 5 anos da Editora Patuá.

com Eduardo Larcerda, no relançamento de Trítonos – intervalos do delírio, durante a Festa de 5 anos da Editora Patuá.

Read Full Post »

Onde faltam palavras, resta a música do delírio. E os mil e um fragmentos de memória, tecidos numa imensa colcha dos afetos. Esse dia reverbera ainda. E continuará reverberando em mim…

Registro minha gratidão imensa a todos que trouxeram suas palavras e seu carinho, pelas várias estradas rasgadas nas infovias. A todos que me povoaram com sua presença. E que alucinarão minha escrita em seus olhos ledores. Gratidão a todos. Gratidão à vida por todos vocês estarem nela.

Algumas lembranças fotográficas desse dia 2 de dezembro de 2015, quando Trítonos – intervalos do delírio deixou de ser o meu livro e ganhou o mundo, graças à Editora Patuá.

Essa foto foi possível porque no dia 30 de novembro, o amigo Délcio Teobaldo me presenteou com um texto incrível (veja aqui) em que falava de sua amizade com meu pai, Guilherme Daniel Neto, e do lançamento de meu livro. Por fim, Délcio pedia que eu colocasse ao meu lado flores, pois ali meu pai estaria presente.

Esta foto foi possível porque no dia 30 de novembro, o amigo Délcio Teobaldo me presenteou com um texto tocante (veja aqui) em que falava de sua amizade com meu pai, Guilherme Daniel Neto, e do lançamento de meu livro. Por fim, Délcio pedia que eu colocasse ao meu lado flores, pois ali meu pai estaria presente.

Correndo para chegar no lançamento. "Corram, poetas, corram!"

Correndo para chegar ao lançamento. “Corram, poetas, corram!”

Lançamento do livro Trítonos - intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Lançamento do livro Trítonos - intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Lançamento do livro Trítonos - intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Lançamento do livro Trítonos - intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

♥ – Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_03_DSC3978

♥ – Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_03_DSC3996

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Registro do instante em que vi o livro pela primeira vez, com seu corpo feito de celulose e tinta, palavras e espaços vazios para o leitor.

Registro do instante em que vi o livro pela primeira vez, com seu corpo feito de celulose e tinta, palavras e espaços vazios para o leitor.

_05_DSC4047

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_05_DSC4049

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4001

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4005

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4010

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4013

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4039

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4042

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4054

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4058

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4061

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4073

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4080

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4085

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4092

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4098

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4105

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4111

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4125

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4132

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4136

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4137

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4140

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4144

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4147

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4152

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4159

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4164

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4165

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4169

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4179

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4181

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4185

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4192

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4204

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4211

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4214

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4220

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4225

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4233

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4240

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4241

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4245

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4251

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4255

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4258

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4261

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4263

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4268

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4271

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4276

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4287

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4305

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4312

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4314

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4320

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4323

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4326

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4341

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4342

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4349

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4350

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4361

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4369

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4371

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4378

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4384

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4396

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4399

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4401

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4411

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4418

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4420

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4427

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4433

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4442

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4445

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4446

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4448

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4458

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4460

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4465

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4466

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4470

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4472

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4479b

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4485

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4488

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4498

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4506

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4508

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4511

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4516

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4517

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4520

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4521

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4529

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4556

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4559

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4569

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4576

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4586

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4589

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4590

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4596

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4603

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4608

Meu querido amigo e editor, Eduardo Lacerda.

Cavaleiro andante estrela marginal
Sobre o Rocinante escravo de metal
Um acorde rasga o céu
Raio negro a cavalgar o som
E cavalgar sozinho… e cavalgar

Viverá pra sempre em nosso coração
O moinho vento nova geração
Um menino vai crescer
Procurando em cada olhar o amor

(DOM QUIXOTE – César Camargo Mariano & Lula Barbosa)

_DSC4613

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4615

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4619

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4626

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4642

♥ – Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4646

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4654

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4656

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4657

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4659

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4662

Meu querido amigo e editor, Eduardo Lacerda.

Tanta gente se esconde do sonho com o medo de sofrer
Tanta gente se esquece que é preciso viver
Combater moinhos, caminhar entre o medo e o prazer
Somos todos na vida, qualquer um de nós
Vilões e heróis, vilões e heróis

(DOM QUIXOTE – César Camargo Mariano & Lula Barbosa)

_DSC4664

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4665

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4672

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4685

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4686

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4692

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4700

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4703

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4704

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4708

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

y_DSC4715

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

z_DSC4855

No dia do lançamento de Trítonos – intervalos do delírio, a Janaina, o Gilberto, a Olivia e a Larissa, muito queridos, me ofereceram, além da preciosa presença deles, essas lindas hortências. Somente no dia seguinte descobri que junto às flores morava um pequenino ser, que me pareceu ter se interessado pelo meu livro… Premonição? Tomara!!!

___

Texto de Délcio Teobaldo, publicado em 30 de novembro de 2015.

1. Um dia ele chegou lá em casa com o gravador já ligado e perguntas na ponta da língua. Queria uma entrevista para a rádio onde era “a voz” do horário de maior audiência. Alto, cabeludo, desleixado e desajeitado, dava a impressão (nunca fez questão que se desfizesse) que metia os pés pelas mãos e vice-versa.

2. Eu havia escrito uma peça de teatro e dirigia os primeiros ensaios, daí a justificativa da entrevista. Dei um passo atrás, mas diante da insistência dele, concordei com a entrevista. Quando ouviu minha voz mudou o objetivo do encontro: “Com esta voz, você ganha fácil, fácil, um horário na rádio”.

3. Daí se dispôs a me ensinar os truques da profissão. Através dele e de outros amigos pacientes e crédulos, conquistei um dos horários nobres (das 17 às 22hs) na Rádio Sociedade de Ponte Nova, MG. Quando decidi vir para o Rio de Janeiro, duas semanas depois ele desembarcou por aqui onde éramos um bando de mineiros aprontando anarquias numa pensão da Ladeira Felipe Neri, Praça Mauá.

4. Poeta, ativista, comunicador brilhante, Guilherme Daniel Neto fez nome no rádio carioca. Quando fui para o jornalismo impresso, nos distanciamos. Viveu em estado de poesia. Morreu no limite dos sonhos e dos desejos. Agora, recente, nos reaproximamos através dos seus dois filhos que descobri por aqui: os poetas Teofilo Tostes Daniel e Roberta Tostes Daniel

5. Leio eles sempre. Identifico aqui e ali a língua lâmina do pai: “A xamã vem em meu socorro com seu bailado, seus aromas e suas canções. Confundo-a com a serpente. Ou com a divindade mãe. Sua mão sobre a minha cabeça é a pata de um jaguar, em cuja pele se inscrevem segredos milenares. Leio o incomunicável dos tempos.“ Trecho de “Primeiro interlúdio” do livro “Trítonos – intervalos do delírio” (Editora Patuá)

6. Nesta quarta, dia 2, meus caros amigos paulistanos, Peter O. Sagae, Sergio Gagliardi-Gag, Antonio Carlos Nogueira, Dolores Prades, May Shuravel, Juliana Rego, Alessandro Buzo… Teofilo lança seu primeiro livro. Fica a vocês o compromisso compadrio de abraçá-lo na minha ausência. A você, poeta, ponha ao seu lado uma cadeira vazia. Sobre ela uma flor qualquer, natural ou de crepom, celofane. Seu pai vai estar aí. Orgulhoso, sim, contemplativo, nunca. Giramundo, inquieto, metendo os pés pelas mãos e vice-versa, sorriso feito o seu, do tamanho do mundo.

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: