Feeds:
Posts
Comentários

Hoje me deparei com uma alegria que mostra que um livro não se esgota na novidade de seu lançamento. Ele é capaz de produzir vários e inesperados desdobramentos. Isso porque é o leitor quem direciona e determina os sentidos de uma obra.

Ontem, foi publicada a entrevista que o querido Fernando Sousa Andrade fez comigo, sobre o meu Trítonos – intervalos do delírio, para o Ambrosia.com.br. Foi um grande prazer e um grande privilégio refletir, a partir desse diálogo, sobre o processo de escrita do livro, revisitar temas e caminhos da criação.

Escrevo também pelo desejo de encontro. E essa entrevista foi um desses felizes encontros, em que senti que a escrita alcançou o seu delírio de alucinar nos olhos do leitor.

Para ler a entrevista, clique aqui. E caso tenha interesse em adquirir o livro, ele está à venda no site da Editora Patuá. Acesse http://bit.ly/teofilopatua.

A história se repete como farsa

Torturas, execuções sumárias, abusos de autoridade, exclusão ou preconceito oficial, ameaças veladas ou explícitas. O Estado Brasileiro não deixou de ameaçar significativa parcela de sua população (especialmente a mais vulnerável) por nenhum dia, desde que o país se redemocratizou.

Não promovemos uma transição que se pautasse pela verdade e pela justiça. Todos que mataram em nome do Estado, em prol de um regime que teve início há exatamente 53 anos estão anistiados.

Ainda no período da Ditadura Militar, foi realizado um projeto que tentou fazer com que a memória nefasta desse tempo não se perdesse. O BRASIL: NUNCA MAIS conseguiu reunir, clandestinamente, mais de 850 mil páginas de 710 processos que tramitavam no Superior Tribunal Militar. Ele foi coordenado por dois religiosos: o reverendo Jaime Wright e o cardeal de São Paulo Dom Paulo Evaristo Arns.

O projeto foi responsável por ser a primeira — e talvez, até hoje, uma das mais importantes — pesquisa sistemática que revelou a violação frequente violação aos direitos humanos por parte de agentes do estado. E tudo isso, com uma característica peculiar: tais revelações eram extraídas de documentos produzidos pelo próprio Estado, autor de tais violações.

A História hoje nos mostra que esse foi um trabalho ousado, arriscado e imenso. Pode-se imaginar a dificuldade de copiar clandestinamente mais de 850 mil páginas, preservá-las e remetê-las a um local seguro, para que não se perdessem.

Tenho orgulho de trabalhar hoje numa instituição que luta para preservar e, não só isso, para ampliar essa memória. Hoje o Ministério Público Federal é responsável por manter no site Brasil: Nunca Mais digital (http://bnmdigital.mpf.mp.br/) todo esse acervo, digitalizado e indexado, permitindo pesquisas textuais nesses documentos, disponíveis na íntegra para consulta de qualquer cidadão.

No entanto, sinto que, como sociedade, falhamos terrivelmente em preservar a memória, a lembrança desse passado. “Para que não se esqueça; para que nunca mais aconteça”, como dissera Dom Paulo. Mas infelizmente não deixou de acontecer um só dia. As torturas e execuções sumárias (de culpados ou inocentes, pouco importa) continuam ocorrendo. A polícia continua vandalizando quase toda manifestação contra o status quo (isso ficou evidente em 2013, nas manifestações do Movimento Passe Livre, quando bastou a polícia se retirar, apostando no caos, e o caos deixou de existir nas ruas). Abusos de autoridades, detenções por desacato após ordens claramente ilegais e arbitrárias, tudo isso continua. O arbítrio da força ainda impera, gerando medo, dor, morte e desaparecimentos forçados.

E como a história acontece como tragédia e se repete como farsa, ganha força hoje no país um estarrecedor discurso de ódio anti-comunista, como se ainda vivêssemos em plena guerra fria. E no ano passado, em outro dia 31, dessa vez de agosto (52 anos e cinco meses depois daquele 31 de março), assistimos a mais um envergonhado golpe. Inegavelmente, algo mudou desde então. Algo difícil de precisar e cujas consequências estamos bem longe de vislumbrar agora, enquanto vivemos no turbilhão desses dias.

Grupo de Poesia Falada

Nessa quarta-feira (8/3), às 20h, daremos início aos encontros do Grupo de Poesia Falada, na sede da Comunidade Dedo Verde (Rua Mauro, 400, próximo da estação Saúde de metrô). Os encontros, serão coordenados por mim e pelo querido amigo Ivan Carlos Regina.

O objetivo é formar um conjunto permanente de pessoas dedicadas a discutir e desenvolver técnicas de declamação de poesia. Não se trata de Sarau, de forma que não serão trabalhados textos dos próprios participantes, pois será dada ênfase às técnicas de declamação. Dentre as atividades previstas para esse trabalho, haverá audição de poemas, bate papo sobre técnicas, oficinas de interpretação de textos, jogos e dinâmica de grupos. Todas as atividades culminarão na formação de um grupo permanente de declamação de poesia, de forma participativa.

Haverá um valor de contribuição voluntária que será revertido para a Comunidade, com sugestão de R$ 60 por mês (se constante), ou R$ 20,00 por participação avulsa. As inscrições estão abertas podem ser feitas pelo email grupodepoesiafalada@gmail.com. Convido a todos!

Primeiro encontro do Grupo de Poesia Falada
Quarta-feira, 8 de março, às 20h
Comunidade Dedo Verde (Rua Mauro, 400, próximo à estação Saúde de metrô).
Inscrições: grupodepoesiafalada@gmail.com.

Em 2014, me lancei um desafio. Escrever periodicamente neste blog. Num primeiro momento, a ideia era fazer publicações semanais. Não tive fôlego para isso e, logo no início, alterei a periodicidade para quinzenal.

Esses três anos mantendo esse projeto revitalizaram meu blog, fazendo com que se ampliassem os acessos e as leituras. Basta constatar que entre 2014 e 2016, publiquei 106, dos 165 textos aqui publicados (contando este). Nesse período, terminei a escrita e lancei (em dezembro de 2015) o meu livro “Trítonos – intervalos do delírio“. Muitas das publicações feitas aqui entre fins de 2015 até dezembro do ano passado ecoam esse livro.

Os resultados dessas publicações periódicas já se evidenciaram em 2014. Foram 36 textos publicados, 1386 visitas e 2027 visualizações. Em 2015, os números foram ligeiramente mais modestos: 28 textos publicados, 1276 visitas e 1930 visualizações.

Em contrapartida, 2016 foi um ano talvez inigualável para esse modesto “lugar de ensaiar com as palavras”. No ano passado, eu fiz 42 publicações. O blog alcançou incríveis 1812 visitas e 2777 visualizações. Dezembro foi o mês com o maior número de visualizações (284) e o segundo maior número de visitas (195). O maior número de visitas no ano passado foi alcançado em setembro (198), que foi o segundo melhor em visualizações (282).

A resenha que fiz sobre o livro de contos “Olhos d´Água“, da Conceição Evaristo, publicada em abril, foi o texto mais acessado do ano passado. Com uma diferença de somente um acesso, o poema “Se eu acreditasse num deus“, publicado no fim de novembro, ficou em segundo lugar. Talvez pelo tema (questionamentos sobre o sagrado, a fé e a dúvida), ele acabou se tornando um fenômeno de acessos em pouco tempo.

O terceiro post mais acessado também foi um fenômeno de acessos em um prazo curto de tempo. Ele foi feito em comemoração a um ano de lançamento do meu livroTrítonos“, pela Editora Patuá. Lá, eu compartilho uma playlist de músicas tocadas pelo personagem Demian no conto “Gritos do açafrão” – conto que acabou me levando a encontrar o nome e a forma do livro, que estão interligadas.

Na sequência, temos um poema de amor escrito para minha esposa, Fabiana Turci, quando completamos cinco anos de casados (o “Cinco variações sobre um tema amoroso“), escrito em janeiro. Por fim, empatados na quinta colocação, se encontram um texto sobre os caminhos nebulosos da nossa política e da nossa democracia, escrito ainda março, quando um diálogo entre a então presidenta Dilma e o Lula foi divulgado de forma indevida (ou, no mínimo, questionável) pelo juiz Sérgio Moro (“O dia de hoje nos livros de História“), e um poema-resposta à leitura do último livro de Pedro Tostes (o post tem o mesmo nome do livro: “Jardim minado“).

Além desses seis textos mais acessados, há outros dois textos que merecem destaque. O primeiro é “Cisgeneridade: a suposta natureza é um silêncio“, que foi texto escrito em 2015 mais acessado naquele ano, foi o segundo texto não escrito em 2016 mais acessado do ano, ficando imediatamente atrás do “Cinco variações sobre um tema amoroso”. O segundo destaque tem relação direta com os primeiros dias de 2017. Todo ano, o texto mais acessado é sempre “O meu coração é um músculo involuntário e ele pulsa por você” (certamente por causa da música, de cujos versos retirei esse título), escrito em 2006 ainda no antigo blog, e posteriormente migrado para o blog atual. Em 2016 não foi diferente. Mas nos primeiros 28 dias de 2017, o texto até agora mais acessado foi “Fúria Travesti“, escrito ano passado após a morte da ativista argentina Lohana Berkins. Como amanhã (29 de janeiro) é o Dia da Visibibilidade Trans, não podia deixar de destacar esses dois textos. O primeiro deles, inclusive, foi especialmente escrito para ser publicado no Dia da Visibilidade Trans de 2015 (veja a mobilização desse ano em torno da #VisibilidadeTRANS no Youtube, no Facebook e no Twitter).

Em 2017, haverá uma mudança de rumos por aqui, afinal os caminhos aqui se inventam sob os pés que os percorrem. Não continuarei com as publicações quinzenais. Tenho projetos literários me esperando, dois livros que estão sendo escritos e outros projetos ainda em fase de primeiras notas. E para poder me dedicar mais a essa escrita, vou reduzir a frequência de textos no blog. Meu objetivo então será o de fazer, pelo menos, uma publicação por mês aqui no Ensaio Aberto. Isso porque alguns outros ensaios com as palavras não podem ser tão abertos assim…

2017criarocaminho

Veredas do Tempo

(Teofilo Tostes Daniel)

Intro.: Am E7 (2x)

__ Am ______________ E7
Eu corro pelas veredas do tempo
__ Am _______________ A7
Tecendo caminhos com meus pés
Dm ____________ C C5+/7+
Eu que desenho as paisagens
_______ F _________________ E
Que transporto em minhas próprias viagens
_______ F ____________ E E7
Que transbordo em minhas marés

Am ____________ E7
Escrevo no ventre do vento
Am ____________ A7
Sussurros que fazem soar
Dm ___________ C C5+/7+
O que o silêncio me fala
______ F ________ E
Que não cala no peito e faz vibrar o ar
____ F _______________ E
E permite que eu construa em mim um lar

_ Am __ E7
O corpo é guardião da memória
_______ F ______ E
Em meus pés eu levo as estradas, trajetórias
_____ F ___________ E ___________ E7
E sob a pele habitam-me as canções e as histórias

__ Am _____________ E7
Percorro as incertezas do tempo
___ Am _____________ A7
Que trago sozinho em meu revés
Dm _____________ C C5+/7+
Eu que consinto em miragens
____ F _____________ E
E naufrago em meus personagens
_____ F __________________ E
Mas renasço em minhas próprias marés

_ Am __ E7
O corpo é celebração da minha história
_______ F _________ E
Em meus céus eu guardo as miradas, desmemórias
_____ F ________ E _____ E7
E sob a pele deliram sensações

Am

Nesta quarta-feira (28/12) me chegou uma aguardada caixinha pelo correio, trazendo alguns livos da Editora Oito e Meio. Já que estamos olhando para o novo ciclo solar que se aproxima, uma de minhas metas para 2017 é conseguir ler o que acabou se acumulando em minhas estantes ao longo desse 2016 (meio corrido e muito insano).

teo-coletaneaoitoemeio

Pois bem, entre os livros que eu aguardava, estava uma coletânea, organizada pela querida Flávia Iriarte, com alunos de um curso do Carreira Literária que aborda os desafios para um autor divulgar seu trabalho, seja antes, seja após a publicação (o que era o meu caso, já que minha principal motivação de fazer esse curso eram os desafios para projetar, ao longo deste 2016, o meu Trítonos – intervalos do delírio).

O desafio final desse curso era a escrita de um conto, para ser publicado numa coletânea. Com limites de extensão, desafio natural dentro de uma coletânea de texto, e prazos para entrega e aprovação do texto.

O livro me chegou ontem, e aguarda para ser lido em 2017 (devo dizer que já li o conto delicadíssimo da Paula Giannini, que fala de um tipo de amor tátil e visceral pelas palavras, mas o conjunto dos textos será lido somente depois). Logo que enviei o meu conto para a coletânea, minha expectativa com o livro era apenas ter em mãos um conjunto de textos de autores com trajetórias, estilos e temáticas diversas. Mas que, ao mesmo tempo, fosse um testemunho da vitalidade de autores que estão produzindo hoje.

Quando o livro me chegou, no entanto, eu estava com a expectativa sobre o livro alargada. Porque, para além disso, havia nomes que eu conheci num segundo curso que fiz, dessa vez de escrita criativa, com a Flávia e a Maiara (entre eles, o da Paula, de quem já li o conto da coletânea). Portanto, já sabia o que esperar de alguns dos nomes que estavam no livro. De alguns autores de quem já havia não apenas lido, mas discutido alguns textos.

Por fim, devo dizer que meu conto Gravitação universal, que está nessa coletânea, foi o primeiro texto literário em prosa que escrevi desde a publicação de Trítonos – intervalos do delírio pela Editora Patuá, no fim de 2015. Foi como uma espécie de ponto de virada, exorcismo, limpeza, banho de sal grosso, sessão de descarrego temático, a partir do qual pude, enfim, me distanciar dos oito anos de escrita de meu livro (sobretudo dos três últimos anos, em que escrevi seu último conto). Fazer o curso de escrita criativa foi um segundo passo nessa direção. Nesse processo, pude olhar para meu próximo projeto. Portanto, outra meta para 2017, além de ler, é me dedicar a escrever meu próximo livro (ainda sem título), que já tem alguns contos escritos e outros em processo.

A coletânea está à venda no site da Editora Oito e Meio (clique aqui). Deixo abaixo um trecho inicial do meu conto Gravitação universal:

Notou pela primeira vez a existência de dois gatos no apartamento embaixo do seu. Enquanto um dormia, seduzido pela tarde preguiçosa, o outro preparava o pulo, talvez para estraçalhar uma barata. Logo depois, viu uma senhora, esquecida em sua cama de enferma, esperando a morte que tardava em vir. Lançava para o nada um olhar desolador e alheado. Perdera a consciência de si, isso era nítido. Se pudesse escolher, viveria assim ou também saltaria fora da ponte da vida?

Passou por dois apartamentos sem vislumbrar pessoa alguma. No primeiro, viu o quarto de um adolescente. Via-se uma rebeldia envelhecida e sem vitalidade nos pôsteres colados à parede e no caos das coisas espalhadas. Roupas pretas de couro e camisetas de bandas se misturavam a gravatas sobre a cama. Uma guitarra não mais tocada adornava a parede ao lado de uma foto antiga, na qual um rapaz de uns vinte anos empunhava aquele instrumento hoje em desuso. As roupas e o aspecto geral da imagem revelavam que pouco mais de duas décadas se acumularam desde então sobre os ombros daquele jovem. Já o outro apartamento lhe trouxe uma sensação dura de vazio. Sem móveis nem moradores, era um apartamento desocupado, despossuído de vida, despido de alma.

No andar de baixo, deparou-se com uma nudez ainda mais avassaladora. Uma moça, sentada sobre a cama, percorria o próprio corpo com as mãos repletas de alguma dessas alquimias de farmácia que prometem manter incólumes juventude, beleza ou saúde. Chegou a vislumbrar sua expressão de susto quando ela o viu caindo.

Sentia o ar ao redor de seu corpo se agitar cada vez mais. A sensação de queda livre provocava vertigens em suas entranhas. Embora acelerasse como uma massa compacta, eram várias e múltiplas as sensações percebidas pela longitude de suas carnes.

(…)

(Trecho do conto Gravitação universal, publicado na coletânea Escritor Profissional — Vol. 3)

Trítonos no Canal Literature-se

Sempre sinto uma enorme gratidão quando sou lido. Receber de alguém os olhos e o tempo, focados em palavras que coloquei no mundo, é algo muito especial. Afinal, o sonho de toda escritura é alucinar nos olhos de leitores.

Neste fim de ano, recebo esse presente: uma leitura! E uma generosa resenha em vídeo da Mell Ferraz, do Canal e Blog Literature-se, sobre o meu Trítonos – intervalos do delírio. Resenha essa que, com enorme alegria, compartilho aqui.

E para quem tiver interesse no livro, ele está à venda no site da Editora Patuá, em http://bit.ly/teofilopatua.

Foto: Mell Ferraz - Blog e Canal Literature-se (Divulgação)

Foto: Mell Ferraz – Blog e Canal Literature-se (Divulgação)

%d blogueiros gostam disto: