Feeds:
Posts
Comentários

Archive for novembro \23\UTC 2014

Eu, que sinto a espessura da palavra,
me invento a cada dia no dizer.
Mas há uma questão que me escalavra:
que sou antes de me pensar um ser?

O que eu seria fora da linguagem?
Como o mundo aos meus olhos chegaria?
Cada coisa teria sua imagem
ou nas paisagens eu me perderia?

De uma forma arbitrária são colados
significantes a significados,
criando as unidades do discurso.

Os signos não possuem natureza.
Neles, porém, a mente está bem presa
e arquitetando a liberdade em curso.

Ozias Leduc - Erato (Muse in the Forest)

Ozias Leduc – Erato (Muse in the Forest)

Read Full Post »

Manoel ouve a terra lhe chamar.
O silvo dos ventos
bagunçando a poeira morna
das tardes
convida-lhe a ser novamente
terra.
Ser novamente
pó e memória,
participando, com isso, da intimidade
da pequenez.

Como poeta, já cantou
o ínfimo.
Como mortal, seu futuro se aproxima —
o mesmo que o de qualquer um:
habitar um úmido silêncio escuro,
quando a vida estanca
e desorganiza o corpo.
Como ente, conheceu muitas infâncias,
gozosos alumbramentos,
sussurradas dores,
e a melancolia do declínio.

Toda estrela, quando apaga,
torna-se um buraco negro
— eis a vida agarrada, lugente,
aos luzentes calcanhares estelares!
Ele ensaiou isso a vida inteira:
no silêncio das coisas sozinhas
aprimorou-se em
árvore musgo cisco pássaro caracol sapo mijo…

Em seu crepúsculo inevitável
a poesia lhe carpe
e um poeta diminuto menor
atira-lhe, comovido,
um prévio e pegajoso epitáfio:

Na palavra, Manoel
jaz e já é.

Desorganizado poema-lamento-homenagem, escrito agora na sequência da leitura da matéria Manoel de Barros, o poeta das miudezas espera o infinito.

manoel_de_barros_extase

Read Full Post »

Eu sou nutrido por terra,
por sol, por água e palavras.
No corpo o mundo se grava
e o outro dentro se encerra.

Devoro todo alimento:
carbono, hidrogênio, símbolos,
oxigênio, e outros mínimos
e essenciais elementos.

Cá no meu tempo eu me inundo.
Depois, tornarei ao mundo
e o que sou se espalhará.

O que faz minha memória
engendra também a história
de tudo aquilo que há.

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: