Feeds:
Posts
Comentários

Archive for dezembro \25\UTC 2008

Há dois dias, a surpresa, inesperada para esse fim de ano, se anunciou. Primeiro, mandou ligarem para o meu celular e me perguntarem se eu ainda estava em São Paulo.

Eu, em minha mania de prosopopéias, estou sendo pouco preciso na descrição do que houve. Na verdade, enquanto eu estava no trabalho, sem que pudesse atender o celular, ele tocou duas vezes. Desliguei-o e, ao voltar para minha sala, liguei para aquele número que não conseguira identificar.

Era da ‘Casa do Novo Autor Editora’. Queriam saber se eu ainda estava em São Paulo, pois MEU LIVRO estava pronto. Já o havia recebido alguns meses antes, mas com um erro na paginação. Tiveram de consertar e imprimir novamente todo o miolo. E essa operação estava concluída naquele dia 23 de dezembro. Ligaram-me a poucas horas de minha ida ao Rio de Janeiro para me perguntar se poderiam enviar-me o livro para minha casa.

Quando cheguei, os exemplares estavam lá na portaria, a me esperar. Abri uns poucos, dez ou doze. Folheei dois. Coloquei-os, esses dez ou doze exemplares, na mala. Estavam perfeitos, exatos. Um livro que esperou uns sete ou oito anos para ser publicado. Poemas que esperaram até quatorze anos para mancharem de tinta as páginas de um livro. Um livro que em 1998 chegou a se chamar ‘Primeiras Tentativas Poéticas’.

Não, na verdade aquele era outro livro. Poemas escritos entre 1999 e 2001 vieram, outros saíram, para a inutilidade dos versos ruins ou para outro livro, que virá futuramente. E assim, o livro que me chegou há dois dias, e que, com uma revisão ou outra, espera há uns sete ou oito anos para ser publicado é intitulado ‘Poemas para serem encenados’. Faço deste meu primeiro livro de poemas uma grande dramaturgia composta de fragmentos de peças de teatro, de cenas, de falas de personagens. Nele, todos são poemas para serem encenados, mesmo quando lidos.

Aqueles que quiserem podem encomendar o livro me enviando um email. Nele, basta dizer a quantidade de livros desejada e o endereço para envio. Cada exemplar custa R$ 20,00 mais as taxas de correio. O pagamento deverá ser feito por meio de reembolso postal. Antes de mandar o(s) exemplar(es), enviarei um email dizendo quanto ficará tudo e esperarei a confirmação de que posso enviar pelo correio a encomenda solicitada. Os pedidos podem ser feitos pelos emails teofilotostes@yahoo.com ou teofilotostes@gmail.com.

Poemas para serem encenados
Teofilo Tostes Daniel.
Casa do Novo Autor Editora: São Paulo, 2008.
76 páginas. R$ 20,00.

Encomendas: enviar um email para teofilotostes@yahoo.com ou teofilotostes@gmail.com, com o endereço para envio e a quantidade desejada.

Leia abaixo alguns poemas do livro:


P r i m e i r a s   T e n t a t i v a s    P o é t i c a s

Duas rimas se encontram no caminho,
Se entreolham, se beijam… Bem no meio
De uma frase cochicham bem baixinho
Segredos já expostos ao passeio.

A linguagem humana forma um ninho
Que sempre expõe ao público recreio
As demonstrações várias de carinho
Das palavras e idéias que eu anseio.

O verbo, ao espalhar apoteoses,
Manifesta-se ávido aos ferozes
Olhos daqueles tidos por poetas.

A minha sina foi-me revelada:
Com versos devo andar por uma estrada;
Poesias devem ser as minhas metas.


G e n e a l ó g i c o

Sou filho dos burgos,
mas não sou burguês.
Meus cantos são lusos,
não sou português.

Meu povo me aponta
safáris no corpo,
contrastes, afrontas
e um velho índio morto.

Entre hóstias e hostes
cravaram-me um Tostes
de algum povo ao léu.

Fugindo com fome,
meu último nome
chamou Daniel.


O   p o e m a   d e   h o j e

Tua presença fez-se em minha mente;
Rompeu, inexorável, a barreira
Que arquitetara para que o afluente
De mim não desaguasse em cachoeira.

Meu olhar te mirara descontente
Porquanto te encontrou, bem verdadeira,
Negando um parco olhar a mim, doente,
Que, aflito, te buscara à Terra inteira.

Lugentes olhos cercam teu olhar;
Constantes eles são ao reclamar
A migalha do céu que tu ofertas.

Desisto vagamente de utopias,
De reter os risos que sorrias.
Eu sou daquelas almas já desertas.


A l i c e    A t r a v é s   d o   E s p e l h o

(ao Armazém Companhia de Teatro)

mote
Eu escrevo este poema
que me imortalizará
por um dia tê-la visto.

Ser o público e a cena
de seus sonhos me será
doce gozo que conquisto.

glosa
Em pensaventos lesmos e espelhares,
Alice alopra os alcalóides anos
nadinocentes, vivos, sempre insanos,
latentes como o brilho dos pulsares.

Volupiadas velhas, sorrateiras
aquecem a epiderme da menina,
da infante nada infântica que nina
os desejos matreiros das soleiras.

Nosso primeiro e estranho anfitrião,
Chapeluco Maleiro e já caduco,
pregado num relógio feito um cuco
ri o riso dos loucos com razão.

Tomo um xeque, um chá-mate e enfim adentro
no espelho-tobogã atrás de Alice,
alicerce dos sonhos, do que eu visse
neste mundo fantástico e epicentro.

Eu vejo um labirinto no armazém,
num impudico, lúdico vestido
em que, no olhar mais lúcido, elucido
todas transparessências que ele tem.

Um gato trapezista, num sorrir,
instaura nos sentidos todo absurdo
comportável no meu sentir já surdo,
pois os seus lábios deixam o rosto ir!

No tabuleiro, a injusticeira manda,
a Rainha das copas e das taras.
Ela corta cabeças pouco caras
nas horas que a demência faz-se branda.

No justíbulo faz-se o julgamento
que desnuda as segundas intenções.
No júri vejo os condes e os barões
feitos nobres num doido desmomento.

No final desta noite ou deste dia,
saciado de amor, eu durmo cedo
neste hospício que espalha todo o medo
da certeza que o mundo o imitaria.

(Aplausos!)

Todos os poemas © by Teofilo Tostes Daniel 

Read Full Post »


Minto um pouco quando falo que não gosto de televisão. Ou talvez haja, de fato, uma inexatidão em minhas palavras. Porque se é verdade que havia pelo menos uns dois meses eu não ligava a TV aqui em casa, também é verdade que nesta semana a liguei de quarta a sábado.

E que extraordinário motivo me levou a fazê-lo? Capitu. Perdi o primeiro capítulo na terça, que acabei vendo pela internet na quarta-feira de manhã, antes de ir para o trabalho.

Desde o filme ‘Lavoura Arcaica’, acompanho o trabalho de Luiz Fernando Carvalho. Na verdade, os primeiros capítulos de uma novela do início da década de 90, chamada ‘Renascer’, já me foram arrebatadores. A minissérie ‘Os Maias’ — a que acabei não assistindo inteira, apenas por contingências, não por falta de interesse — também foi irretocável. Mas é a partir de seu longa que conheço e acompanho o trabalho desse diretor, que atualmente tem enveredado, na TV, por uma linguagem própria desde a microssérie ‘Hoje é Dia de Maria’.

Depois de alguns problemas na execução de ‘A Pedra do Reino’, que achei hermética demais para quem não lera o livro de intrincado enredo de Ariano Suassuna, embora tenha sido uma encantadora explosão de sensações que o livro provoca a quem o lê, veio Capitu. Portanto, se em ‘A Pedra do Reino’ Luiz Fernando Carvalho acabou fazendo uma alegoria do livro, quase como uma pintura que tenta sintetizar uma história cheia de peripécias; uma pintura bela, mas cujo significado, cujo entendimento se guarda a poucos, em Capitu ele conseguiu uma adaptação perfeita. Talvez o próprio livro tenha ajudado, já que ‘O Romance d’A Pedra do Reino’ tem um enredo muito complexo, e pouco foi o tempo destinado a ele na TV.

Agora, em ‘Capitu’… Deparei-me com as mesmas impressões de quando li ‘Dom Casmurro’, aliás, devorei-o em quatro dias, há pouco mais de dez anos, no início de 1998. Em quatro dias li o livro. Em cinco Luiz Fernando Carvalho o reconta na TV. A microssérie, no início, traz a mesma pulsação juvenil do início do livro, alternando outra pulsação, outro ritmo, quando no terço final da história ocorrem os fatos pelos quais o livro é famoso. Minto, os fatos não ocorrem. Bentinho não os narra. Ele nos apresenta a sua dúvida. Mas não sem nos fazer apaixonar pela sua Capitu, sobretudo a menina, com a qual ele crescera junto.

Mais uma vez o diretor lança mão de sua linguagem, personalíssima, que faz a televisão ser outra coisa daquilo que geralmente é. Assistir às suas obras nos últimos anos tem sido assemelhado à experiência de ir ao teatro, exceto pelo fato de não haver proximidade com os atores. Aqui também minto um pouco. Na verdade, assemelha-se à experiência de assistir a algumas peças específicas. E, principalmente, aproxima-se de modo colossal da experiência que é conviver com o processo de criação de um autor/diretor/ator ainda desconhecido das grandes platéias, mas rico em imagens e poesia.

E eu tive a honra de trabalhar com ele, com esse ainda desconhecido das grandes platéias, durante muito tempo. Tive a honra de ter sido um dos fundadores de sua companhia e um dos primeiros co-investigadores do seu método. Em ‘Esquadros ou O Paraíso’ usamos Madredeus antes de ‘Os Maias’, Quinteto Armorial antes de ‘A Pedra do Reino’ e o teatro dança, muito semelhante àquela dança que Escobar faz sobre a mesa do seminário. Digo isso para mostrar o paralelo desses dois universos “extasiantes”. E digo mais: quem assistir a esta Capitu jovem de Luiz Fernando Carvalho e porventura conheça a obra desse autor, logo se lembrará de uma personagem como Rosália, de ‘Hóstia e Absinto’.

Por isso, a beleza deste e de outros trabalhos de Luiz Fernando Carvalho, para mim, confirmam todo talento que há quase quinze anos eu enxergo num outro autor/ator/diretor, que também é, para minha felicidade, um grande amigo, irmão e companheiro. E este se chama Marcelo Tosta. Um talento com o qual já trabalhei diversas vezes e cujo processo de criação conheço muito bem, por já ter criado tantas e tantas vezes junto com ele, mais extasiado como platéia e escriba, do que propriamente como criador.

Capitu é a segunda das quatro obras previstas para serem adaptadas no Projeto Quadrante. As outras duas obras não as li. E essas duas primeiras (‘O Romance d’A Pedra do Reino’ e ‘Dom Casmurro’), coincidentemente, li na mesma época, no já um pouco longínquo ano de 1998.

Certamente, todos que assistiram à microssérie Capitu ficarão saudosos daqueles olhos de ressaca (ou seriam olhos de cigana oblíqua e dissimulada(?)?) de Letícia Persiles e de Maria Fernanda Cândido.

Site da Microssérie Capitu
http://capitu.globo.com/
Site do Projeto Quadrante
http://quadrante.globo.com/Quadrante/0,,8624,00.html

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: