Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Escrita’

Sabe aquela sensação de plenitude quando você se depara com algo imenso? É assim o último texto da minha amada Fabi Turci no seu Laboratório dos sentidos. Imenso, cheio de força e vida, sabor e nuances. Como a receita: um incrível espaguete de abobrinha e cenoura com molho de guacamole.

Ao ler hoje esse Manifesto ao ato de cozinhar e de inventar pela junção de sabores e aromas, cores e texturas, sensação que me deu foi de que esse projeto da Fabi vive uma espécie de ápice, desde a publicação da primeira receita há quase dois anos, em julho de 2014.

Mas talvez não seja verdade que seja propriamente um ápice. Já era imenso desde aquele primeiro bolo, condimentado com escrita, literatura, ideal e paixão. Mas hoje ele ganha uma nova dimensão, um novo começo. Esta é a primeira receita que se faz acompanhar de um vídeo. E assim nasce o canal do Laboratório dos sentidos no Youtube.

Para ler o Manifesto e a receita no Laboratório dos Sentidos, clique aqui. Já para acessar o Canal do Laboratórios no Youtube, clique aqui. E veja abaixo o vídeo que inaugura o canal. Sabores para ler, assistir e se deliciar!

Read Full Post »

Diante da força de um escrito, em algumas condições nos esquecemos de que quem escreve o faz a partir do lugar que ocupa no mundo. A aristocracia periférica de um Jorge Luis (Borges), escritor ao mesmo tempo europeu e argentino; o provincianismo de um menino de Cordisburgo chamado João (Guimarães Rosa), capaz de colocar muita filosofia na boca de seus personagens sertanejos; e a origem negra de um certo Joaquim Maria (Machado de Assis), cuja cor foi desbotada nos livros de história da literatura, importam menos, quando eles são lidos, do que a chamada “grandeza universal” de suas obras. Mesmo quando elas têm cores essencialmente regionais.

O mesmo não ocorre com quem não pode ter seus traços tão facilmente apagados na estrutura da sociedade. A cor de um Afonso Henrique (de Lima Barreto), a sexualidade de um Caio (Fernando Abreu), o gênero de uma Cecília (Meireles) ensejam muito frequentemente debates sobre o lugar que ocupam e a partir do qual escrevem. Por quê?

Parece-me muito evidente que a literatura escrita por homens cisgêneros, brancos (ou embranquecidos) e heterossexuais é recebida como literatura universal. E o que é escrito por mulheres, por transexuais, por gays ou por negros, o que seria? Se, por um lado, a análise a partir do lugar de enunciação de quem escreve só costuma valer para quem ocupa lugares periféricos na própria periferia do capitalismo que é o nosso país, por outro marca um ato de resistência, ao demonstrar que a humanidade se engendra, complexa e plural, em todos, e que existem vozes imensas relegadas a um absurdo silêncio.

O livro “Olhos d’Água”, de Conceição Evaristo, pode ser visto como uma realização estética dessa resistência, ao ressoar a voz de uma multidão habitualmente silenciada. Uma multidão de mulheres negras e de filhos dessas mulheres. O que ouvimos é a sua humanidade, e não a voz de um esteriótipo engessado, de um personagem-tipo cobaia de teses sociológicas.

Antes que o leitor enverede por qualquer história, a primeira frase da Introdução à obra, escrita por Jurema Werneck, já adverte que “A mulher negra tem muitas formas de estar no mundo (todos têm).” Parece óbvio, mas alguns de nós temos o privilégio de nos esquecemos disso com assustadora frequência, porque podemos apagar a própria existência dessas mulheres. No entanto, a literatura de Conceição Evaristo é um grito de resistência que nos recorda desse fato e dessas vidas.

Com um realismo complexo e repleto de poesia, mas às vezes narrando alegorias míticas, nos encontramos com um enorme caleidoscópio de mulheres de todas as idades: Ana, Duzu, Maria, Natalina, Salinda, Luamanda, Cida, Zaíta, Bica. Enquanto algumas dessas mulheres morrem de balas achadas ou perdidas, outras fazem cooper em Copacabana antes do trabalho. Há as que choram seus maridos mortos, as que são linchadas e as que amam — seus homens ou suas mulheres. Uma aborta e depois aluga seu ventre. Outra realiza uma viagem em busca da lembrança da cor dos olhos de suas mães…

conceicao-evaristoCuriosamente não tem nome a mulher que faz essa viagem, ao mesmo tempo íntima e mensurável em quilômetros, de retorno a Minas, após acordar bruscamente se perguntando de que cor eram os olhos de sua mãe, no belíssimo primeiro conto que nomeia o livro. Talvez o nome dessa personagem seja Conceição. Pelo menos, na minha liberdade leitora, foi assim que a chamei, lutando, no entanto, para não confundir a personagem com sua criadora. Isso porque Conceição Evaristo, a autora, reside hoje no Rio, onde se formou em Letras pela UFRJ e se tornou mestra e doutora em Literatura, mas nasceu e cresceu numa favela em Belo Horizonte.

Seu “Olhos d’Água” traz múltiplas histórias, repletas de intensidades por vezes brutais e doridas, protagonizadas por mulheres negras, como a autora, numa feliz conjunção entre o lugar de enunciação e a voz que artisticamente se produz. Não cabe a mim validar qualquer experiência. Na posição de leitor, o que desejo aqui é dizer como me chegaram os ecos das histórias desse livro, histórias que precisam ser lidas, pois certamente necessitavam ser escritas e, no conjunto, testemunham que cada mulher negra, sobre quem geralmente não se fala e a quem raramente se dá voz, carrega em si um universo, um infinito particular. Isso é óbvio, mas nem sempre é fácil enxergar o óbvio. Ainda mais quando ele é esmaecido pela naturalização do silêncio sobre muitas vidas.

Termino esse pequeno itinerário de leitura partilhando o assombro e o alumbramento que me trouxe o final do conto “A gente combinamos de não morrer”, por sua belíssima ode à palavra, afirmando que a escrita também pode ser um lugar.

E fui escrevendo mais e mais. (…) Na verdade, naquele momento, eu já estava arrependida e queria voltar para o meu lugar. Se é que tenho algum. Mas escrever funciona para mim como uma febre incontrolável, que arde, arde, arde… (…) Gosto de escrever palavras inteiras, cortadas, compostas, frases, não frases. Gosto de ver as palavras plenas de sentido ou carregadas de vazio dependuradas no varal da linha. Palavras caídas, apanhadas, surgidas, inventadas na corda bamba da vida. Outro dia, tarde da noite, ouvi um escritor dizer que ficava perplexo diante da fome do mundo. Perplexo! Eu pedi para ele ter a bondade, a caridade cristã e que incluísse ali todos os tipos de fome, inclusive a minha, que pode ser diferente da fome dos meus.

(…)

Minha mãe sempre costurou a vida com fios de ferro. Tenho fome, outra fome. Meu leite jorra para o alimento de meu filho e de filhos alheios. Quero contagiar de esperanças outras bocas. (…) Lá fora a sonata seca continua explodindo balas. Neste momento, corpos caídos no chão, devem estar esvaindo em sangue. Eu aqui escrevo e relembro um verso que li um dia. “Escrever é uma maneira de sangrar”. Acrescento: e de muito sangrar, muito e muito…

quinzenario0042

Read Full Post »

Que ninguém me descubra em meus poemas,
pois minha vida, mesmo quando escrita,
não importa de fato e nem concita
que a procurem ao longo de meus temas.

Se o que escrevo se faz no mar da história,
a ele não se prende ou se resume.
A linguagem me ausenta e lança lume
somente no leitor e na memória

daquele que se encontra com meu texto.
Pouco vale supor o meu contexto,
pois toda escrita é feita de invenções.

É sempre preferível admitir
que espero o breu das coisas, que há vir
habitar minha voz e meus pulmões.

quinzenario0039

Read Full Post »

A página do Nube – Núcleo Brasileiro de Estágios publicou nesta segunda-feira (29/02) minha entrevista para o programa Prefácio da TV Nube. Nesse bate-papo com a Fernanda Martinelli, falo sobre o meu livro Trítonos – intervalos do delírio (Editora Patuá), além de conversar um pouco sobre leitura e escrita.

Apresentação: Fernanda Martinelli
Imagens: Igor Castro e Welder de Lavor
Edição: Igor Castro
Direção: Mauro De Oliveira

A entrevista foi um dos destaques de hoje por lá.

2016-02-entrevistaprefacio-destaquesitenube

 

 

Read Full Post »

Em 2015 foram 28 publicações em meu blog Ensaio Aberto. Dentre todas, as de novembro anunciavam aquele que certamente foi o momento mais importante do ano, para mim: a publicação de meu livro Trítonos – intervalos do delírio, lançado no dia 2 de dezembro. O texto que escrevi sobre o livro pouco antes de seu lançamento, numa publicação do dia 22 de novembro, testemunha essa espera e foi a segunda que mais teve visualizações, entre as publicadas em 2015.

A frente dela, ficou apenas o texto “Cisgeneridade: a suposta natureza é um silêncio“, que publiquei no dia 29 de janeiro por ocasião do “Dia da Visibilidade Trans*“. Neste texto, no propósito de me unir às vozes e às pautas trans*, esbarrei numa questão: em que poderia eu, um homem cisgênero, casado com uma mulher também cisgênera, contribuir com a questão? E, sobretudo, o que poderia eu falar da condição transgênera? Temendo cair em abismos, pensei que talvez o melhor que eu poderia fazer seria falar sobre a cisgeneridade, que é o meu lugar de fala no mundo, e sobre o meu espanto ao descobrir que existe um desconforto de pessoas cis em serem identificadas como cisgêneras. Torço para que esse esforço tenha sido (ou ainda seja) de alguma valia.

A terceira publicação com mais visualizações em 2015, que está prestes a completar um ano no dia 5 de janeiro, celebra o amor. Foi um poema que escrevi para minha amada Fabiana Turci, para comemorar seus trinta anos de vida.

Poemas e artigos publicados aqui, com reflexões sobre temas diversos, não testemunham completamente minha escrita no ano de 2015. Mas eles dão a ver esse Ensaio Aberto que estabeleço com as palavras e seus eventuais leitores aqui neste blog. Sejam todos bem-vindos em 2016!

Clique aqui para ver o relatório estatístico completo.

Read Full Post »

Um voo amplo tem início logo nas primeiras páginas. Casulo rompido, é hora de ganhar alturas e conhecer a vertigem do espanto. Violeta velha e outras flores (Editora Patuá, 2014), de Matheus Arcaro, lança logo o leitor, em seu primeiro conto, no olho do redemoinho, numa avalanche de sensações pequeninas – e incomensuráveis.

Esta narrativa me tocou como uma obra-prima a dizer do que o autor era capaz, acendendo em mim o desejo de seguir empós dessa prosa repleta de poesia.. Ali, a descrição inicial da estrada, numa viagem de carro em família, me remeteu inicialmente ao Caçador de vidro, conto de abertura de O volume do silêncio, de João Carrascoza. Mas as descobertas e epifanias na jornada do pequeno Lucas no decorrer da história me remeteram à poesia que encontrei nos olhos míopes de Miguilim. Este, porém, se revelou um Miguilim solitário, sem gozar de nenhuma cumplicidade com o irmão.

A intensidade da experiência de Lucas – e de sua comunhão com o mundo – provoca uma aterradora ternura. “Era como se sua alma se multiplicasse dentro do corpo.” Sim, é isso que nós, leitores, sentimos. Sentimos sua vertigem e seu alumbramento e sua dor, na descoberta da finitude – e também da solidão essencial. “E pela primeira vez Lucas chorou em silêncio.” Nós também choramos, mas sem a inocência da primeira vez.

Mas se Casulo rompido é o que primeiro me vem à cabeça, quando penso em Violeta velha – uma primeira impressão que ficou, de tão arrebatadora – o fato é que o livro vai muito além. São 22 contos que se dividem em seis conjuntos e exploram diversas formas de se narrar.

No primeiro conjunto, personagens simples são confrontados com a complexidade da vida: a criança de cinco anos se defronta com a imensidão do mundo, o indigente com os meandros da memória (no belíssimo O sonho), o mentalmente diverso com a rejeição e a própria fúria, o menino com um adeus, o garoto estranho e sua mãe aflita com a impossibilidade de se diagnosticar o extraordinário.

O segundo conjunto, composto por uma única história, descreve a experiência de ser atropelado pelo jorro incessante do quotidiano, cujas contingências desimportantes e cíclicas se sucedem feito enxurrada. Ou avalanche.

Um mergulho profundo no abismo de dentro de si me parece conectar as histórias do terceiro bloco. Desse mergulho, nem sempre é possível voltar (evoco aqui o pungente Ausência confirmada) ou encontrar o mundo da mesma forma (como em À beira do abismo, com seus ecos de surrealismo, absurdo ou realismo fantástico).

O quarto grupo de histórias funciona como um espécie de contraponto do segundo, com suas narrativas em que o estranhamento do quotidiano permite que se abram portas para fora da trivialidade de todo dia. As três histórias (Reencontro, Noite nua e Em nome do pai) são de uma beleza dorida e melancólica que me encheram de exclamações estupefatas. Talvez por ofertarem “Aos que transitam pela rua disseminando instintos e dissipando instantes, uma cara despida de esperança.” Ou talvez por mostrarem que mesmo a escuridão pode revelar e fortalecer outros sentidos do corpo. Seja como for, neste percurso a sensação que fica é o desejo de “acariciar cada vestígio do momento”.

As cinco histórias que compõem o quinto grupo exploram variações sobre o tema da degeneração, ou da destruição e da autodestruição. A iminência da morte, a violência, a velhice, o abandono, a doença, o vício, as sequelas do acaso que vitima o corpo e a morte são elementos presentes nessas narrativas. O horror instintivo de entregar-se “à sensação de não sentir” acompanha cada percurso aqui. Não sei se esses contos formam uma ode à vida, cantada às avessas, ou se apenas testemunham a inexorável finitude e a impermanência de todas as coisas.

Para além da morte, o conjunto derradeiro oferece ao leitor três histórias que abordam questões ligadas à construção da fé, à descrença, ao confronto entre ciência e religião e à experiência mística. Nesse conjunto primoroso, a diversidade de formas narrativas conduz o leitor, com ironia mordaz, pelas muitas moradas de um além que se espelha no mundo – ou que faz do mundo seu espelho (em Está tudo escrito), para depois assombrá-lo com o vislumbre de uma verossímil comprovação científica capaz de abalar os pilares da fé ocidental (Dois homens mortais).

Fechando este grupo – e toda o livro – Condenado à liberdade nos convida a voltar à própria obra, sugerindo a repetição cíclica de um eterno retorno. Por vezes, parece fletir-se e refletir sobre a própria linguagem: “Aqui consegui ouvir a vida gritando em meus pulsos, consegui apanhar a eternidade em cada átimo e soltá-la para que tudo não passe de possibilidades”. Penso que, nesse lugar, “o mundo é pequeno demais; eu só caibo nesta cela”, que pode ser a palavra, essa entidade que carrega em si o gérmen do incomunicável.

Violeta velha e outras histórias, de Matheus Arcaro (Editora Pautá, 2014)

Violeta velha e outras flores, de Matheus Arcaro (Editora Pautá, 2014)

Read Full Post »

Onde faltam palavras, resta a música do delírio. E os mil e um fragmentos de memória, tecidos numa imensa colcha dos afetos. Esse dia reverbera ainda. E continuará reverberando em mim…

Registro minha gratidão imensa a todos que trouxeram suas palavras e seu carinho, pelas várias estradas rasgadas nas infovias. A todos que me povoaram com sua presença. E que alucinarão minha escrita em seus olhos ledores. Gratidão a todos. Gratidão à vida por todos vocês estarem nela.

Algumas lembranças fotográficas desse dia 2 de dezembro de 2015, quando Trítonos – intervalos do delírio deixou de ser o meu livro e ganhou o mundo, graças à Editora Patuá.

Essa foto foi possível porque no dia 30 de novembro, o amigo Délcio Teobaldo me presenteou com um texto incrível (veja aqui) em que falava de sua amizade com meu pai, Guilherme Daniel Neto, e do lançamento de meu livro. Por fim, Délcio pedia que eu colocasse ao meu lado flores, pois ali meu pai estaria presente.

Esta foto foi possível porque no dia 30 de novembro, o amigo Délcio Teobaldo me presenteou com um texto tocante (veja aqui) em que falava de sua amizade com meu pai, Guilherme Daniel Neto, e do lançamento de meu livro. Por fim, Délcio pedia que eu colocasse ao meu lado flores, pois ali meu pai estaria presente.

Correndo para chegar no lançamento. "Corram, poetas, corram!"

Correndo para chegar ao lançamento. “Corram, poetas, corram!”

Lançamento do livro Trítonos - intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Lançamento do livro Trítonos - intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Lançamento do livro Trítonos - intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Lançamento do livro Trítonos - intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

♥ – Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_03_DSC3978

♥ – Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_03_DSC3996

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

Registro do instante em que vi o livro pela primeira vez, com seu corpo feito de celulose e tinta, palavras e espaços vazios para o leitor.

Registro do instante em que vi o livro pela primeira vez, com seu corpo feito de celulose e tinta, palavras e espaços vazios para o leitor.

_05_DSC4047

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_05_DSC4049

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4001

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4005

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4010

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4013

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4039

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4042

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4054

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4058

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4061

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4073

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4080

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4085

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4092

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4098

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4105

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4111

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4125

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4132

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4136

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4137

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4140

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4144

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4147

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4152

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4159

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4164

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4165

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4169

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4179

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4181

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4185

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4192

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4204

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4211

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4214

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4220

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4225

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4233

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4240

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4241

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4245

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4251

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4255

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4258

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4261

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4263

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4268

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4271

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4276

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4287

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4305

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4312

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4314

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4320

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4323

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4326

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4341

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4342

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4349

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4350

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4361

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4369

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4371

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4378

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4384

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4396

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4399

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4401

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4411

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4418

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4420

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4427

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4433

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4442

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4445

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4446

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4448

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4458

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4460

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4465

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4466

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4470

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4472

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4479b

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4485

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4488

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4498

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4506

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4508

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4511

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4516

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4517

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4520

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4521

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4529

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4556

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4559

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4569

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4576

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4586

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4589

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4590

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4596

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4603

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4608

Meu querido amigo e editor, Eduardo Lacerda.

Cavaleiro andante estrela marginal
Sobre o Rocinante escravo de metal
Um acorde rasga o céu
Raio negro a cavalgar o som
E cavalgar sozinho… e cavalgar

Viverá pra sempre em nosso coração
O moinho vento nova geração
Um menino vai crescer
Procurando em cada olhar o amor

(DOM QUIXOTE – César Camargo Mariano & Lula Barbosa)

_DSC4613

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4615

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4619

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4626

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4642

♥ – Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4646

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4654

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4656

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4657

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4659

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4662

Meu querido amigo e editor, Eduardo Lacerda.

Tanta gente se esconde do sonho com o medo de sofrer
Tanta gente se esquece que é preciso viver
Combater moinhos, caminhar entre o medo e o prazer
Somos todos na vida, qualquer um de nós
Vilões e heróis, vilões e heróis

(DOM QUIXOTE – César Camargo Mariano & Lula Barbosa)

_DSC4664

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4665

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4672

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4685

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4686

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4692

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4700

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4703

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4704

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

_DSC4708

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

y_DSC4715

Lançamento do livro Trítonos – intervalos do delírio, publicado pela Editora Patuá.

z_DSC4855

No dia do lançamento de Trítonos – intervalos do delírio, a Janaina, o Gilberto, a Olivia e a Larissa, muito queridos, me ofereceram, além da preciosa presença deles, essas lindas hortências. Somente no dia seguinte descobri que junto às flores morava um pequenino ser, que me pareceu ter se interessado pelo meu livro… Premonição? Tomara!!!

___

Texto de Délcio Teobaldo, publicado em 30 de novembro de 2015.

1. Um dia ele chegou lá em casa com o gravador já ligado e perguntas na ponta da língua. Queria uma entrevista para a rádio onde era “a voz” do horário de maior audiência. Alto, cabeludo, desleixado e desajeitado, dava a impressão (nunca fez questão que se desfizesse) que metia os pés pelas mãos e vice-versa.

2. Eu havia escrito uma peça de teatro e dirigia os primeiros ensaios, daí a justificativa da entrevista. Dei um passo atrás, mas diante da insistência dele, concordei com a entrevista. Quando ouviu minha voz mudou o objetivo do encontro: “Com esta voz, você ganha fácil, fácil, um horário na rádio”.

3. Daí se dispôs a me ensinar os truques da profissão. Através dele e de outros amigos pacientes e crédulos, conquistei um dos horários nobres (das 17 às 22hs) na Rádio Sociedade de Ponte Nova, MG. Quando decidi vir para o Rio de Janeiro, duas semanas depois ele desembarcou por aqui onde éramos um bando de mineiros aprontando anarquias numa pensão da Ladeira Felipe Neri, Praça Mauá.

4. Poeta, ativista, comunicador brilhante, Guilherme Daniel Neto fez nome no rádio carioca. Quando fui para o jornalismo impresso, nos distanciamos. Viveu em estado de poesia. Morreu no limite dos sonhos e dos desejos. Agora, recente, nos reaproximamos através dos seus dois filhos que descobri por aqui: os poetas Teofilo Tostes Daniel e Roberta Tostes Daniel

5. Leio eles sempre. Identifico aqui e ali a língua lâmina do pai: “A xamã vem em meu socorro com seu bailado, seus aromas e suas canções. Confundo-a com a serpente. Ou com a divindade mãe. Sua mão sobre a minha cabeça é a pata de um jaguar, em cuja pele se inscrevem segredos milenares. Leio o incomunicável dos tempos.“ Trecho de “Primeiro interlúdio” do livro “Trítonos – intervalos do delírio” (Editora Patuá)

6. Nesta quarta, dia 2, meus caros amigos paulistanos, Peter O. Sagae, Sergio Gagliardi-Gag, Antonio Carlos Nogueira, Dolores Prades, May Shuravel, Juliana Rego, Alessandro Buzo… Teofilo lança seu primeiro livro. Fica a vocês o compromisso compadrio de abraçá-lo na minha ausência. A você, poeta, ponha ao seu lado uma cadeira vazia. Sobre ela uma flor qualquer, natural ou de crepom, celofane. Seu pai vai estar aí. Orgulhoso, sim, contemplativo, nunca. Giramundo, inquieto, metendo os pés pelas mãos e vice-versa, sorriso feito o seu, do tamanho do mundo.

Read Full Post »

« Newer Posts - Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: